Meu perfil
BRASIL, Mulher, Portuguese, English, Livros, Viagens

Histórico
    Categorias
    Todas as Categiorias
      China
      Viver na China


    Votação
    Dê uma nota para meu blog


    Outros sites
    Baobei Foundation - Precious life, precious child.
    Shanghai Connection
    Glaucia Garcia
    Laço do Infinito
    A lira do mercador chinês - Gilson Rosa
    Só sei que nada sei...
    Things become things.
    Tofu na China
    Palavras Vagabundas
    Receitas e tradições
    Expressões
    Doce Encanto
    PapelPicote
    Centro Espírita Irmã Cristina - Praia Grande - SP
    Sobreviver em Sinop
    Arquitetura Fashion
    Mentirinhas do Coala
    Jardim Valentina
    Brazilian Abroad - Brasileiros no exterior
    Do you Shanghai?
    A vida em mandarim
    Diário de Bordo - Agamenon Plait







    O filho unico chinês.

     
     

    O filho unico chinês.

    Não é a primeira vez que escrevo sobre esse assunto, mas depois do post sobre a quantidade de homens na China e a previsão nada animadora para o futuro, algumas pessoas colocaram comentários, outras me escreveram, e sei que um monte fica sempre com o pé atrás em se tratando das ‘regras’ chinesas.

    A primeira atitude, em quase todos os casos e baseada na nossa cultura, na politica adotada em nosso pais e na experiência de cada um, é de indignação. Como pode um governo determinar quantos filhos cada casal pode ter? Como pode uma lei interferir na vida privada de tal maneira que obriga as pessoas a cometerem atos que são tão condenados na nossa sociedade cristã, como o aborto?

    E esse é mais um assunto polêmico, principalmente quando tento explicar o que para muitos é inexplicável: isso tem uma razão e dentro da realidade deles faz sentido e é completamente aceitável. É uma medida tomada em função da históra, do passado e por isso é possivel ao menos se tentar entender. E, por favor, explicar baseada em fatos passados e observação do dia a dia aqui, não quer dizer que eu concorde, que ache que é o modelo ideal, ou que apoie. Só procuro entender o sentido de coisas que são tão estranhas à nós ocidentais.

    Cartaz do governo na época que iniciaram a campanha do filho único.

    Na verdade, também já falei isso em algum momento nesse blog, a China conseguiu desestruturar razoalvemente minhas convicções, minha maneira de enchergar o mundo. Hoje pondero muito sobre certos assuntos, certas verdades e certezas e, sinceramente isso me incomoda bastante pois me tornou uma pessoa mais questionadora ainda, mais ‘advogada do diabo’ ainda, e no final ainda não encontrei o ‘fiel da balança’ para todos esses questionamentos. Sobre esse assunto especificamente, realmente não acho certo a proibição de ter mais de um filho (principalmente num pais onde há uma discriminação ao sexo feminino tão enraigada), mas também questiono a falta de planejamento familiar no Brasil, onde o próprio governo estimula através das tais ‘bolsas’, a procriação desenfreada. Onde o pobre, infelizmente, vê mais vantagem em ter filhos e não precisar trabalhar, já que para o universo deles o básico é o suficiente, sem se preocuparem com o futuro dessas crianças. Bom, mas isso é assunto para mais de metro, e só citei para que vocês possam entender como muitas vezes fico desesperada...rs. Sem saber para que lado ir. Claro, o ideal seria um ponto neutro, justo e que não fosse nem tanto ao céu e nem tampouco ao inferno, se é que vocês me entendem...

    Bom, a China possui mais de 50 etnias, 56 para ser mais exata. Mas 88% dos chineses pertencem a etnia HAN. Isso nos leva a fácil dedução de que todas as outras etnias são consideradas minorias. E como minorias, tem  alguns de seus direitos assegurados, ou seja, para esses grupos não há restrição ao número de filhos.

    Apesar de minorias, esses 55 grupos representam um pouco mais de  130 milhões de pessoas. Vamos combinar que se cada casal resolver ter 3 filhos, é gente prá chines nenhum botar defeito, né? Mas os 88% da etnia Han, realmente sofrem um rigido controle de natalidade. Abortos são encarados como procedimento normal, que se faz em qualquer hospital publico. Essa para mim é a parte mais desumana da lei. Porque de certo modo, facilita demais a falta de cuidados e coloca, mais uma vez, a mulher em situação de risco. Às vezes me pergunto quantas não morrem, quantas não ficam estéreis por um procedimento mal feito. E nem vamos entrar na questão do feto/bebê, pois não há limite para o procedimento.

    Quando foi adotada, no final da década de 1970, a medida tinha o objetivo de controlar o crescimento da população e facilitar o trabalho do governo, porque dar assistência médica e educação para mais 1 bilhão de pessoas é algo surreal. De acordo com estatísticas governamentais, foram evitados o nascimento de 400 milhões de bebês nesse período.

    Esse tópico tem sido motivo de bastante dor de cacbeça ao governo chinês. Há quase 30 anos, que a China iniciou sua abertura política e econômica, muita coisa mudou no pais. Inclusive a voz dos jovens da geração pós Mao, que não concordam com todas as regras impostas pelo governo.  E a questão do filho único é sempre motivo de protestos (dentro dos padrões de um governo comunista tentando abrir algum espaço para a manifestação popular). Por isso algumas excessões acabaram sendo autorizadas, mas isso causando mais polêmica e ambíguidade.

    Na zona rural, pode-se ter o segundo filho, principalmente se o primeiro for menina. E, principalmente pela falta de informação, o número de crianças que nascem com deficiência, seja ela qual for, são abandonadas sem se pensar duas vezes.

    Em Shanghai, devido ao custo de vida estar cada vez mais alto, um casal onde ambos forem filhos únicos, podem ter o segundo filho, quando o primeiro atingir uma certa idade. Acho que por volta dos 8 anos. Isso é baseado na cultura de se cuidar dos idosos da familia de forma digna, e cada dia ficaria mais dificil para o jovem que tivesse que assumir o sustento de seus pais e muitas vezes dos avós.

    Em Sichuan, na época em que houve o terremoto, que destruiu escolas em pleno período letivo, os pais que perderam ou tiveram os seus filhos gravemente comprometidos pelo acidente, puderam ter o segundo filho.

    E assim vai, cada dia uma nova regra aparece. Mas não pensem que nesses casos acima, os casais simplesmente possam engravidar. Antes disso eles precisam ter uma certificação do governo que permite a eles a segunda gravidez.

    Resumidamente é isso o que ocorre na China. Quem não segue essas regras acaba sendo punido com severas multas, além de ter que custear toda a educação e saude do segundo filho, que nesse caso é calculada pelo governo e tem que ser paga ‘in advance’, ou seja, antes da criança entrar na escola, por exemplo, toda a educação básica dela tem que ser paga.


    Polêmica é pouco para esse assunto, mas quando a gente anda nas ruas e vê tanta gente, mas muita mesmo, ficamos imaginando se não houvesse essa lei como seria. Por outro lado quanta injustiça foi cometida por conta disso. Entender a questão de uma forma teórica é uma coisa. Aceitar na vida prática, principalmente se é a SUA vida, é outra bem diferente.

    Fica aí para vocês pensarem... gostaria muito que o mundo, principalmente os paises em desenvolvimento, encontrassem um meio termo. Algo mais inteligente, humano e menos agressivo. Mas é dificil. Os extremos sempre ganham força. A ponderação não é uma das prioridades pelo que vejo.

    Zài Jiàn!



    Categoria: China
     Escrito por Christine Marote às 07:45
    [] [envie esta mensagem] []



    Curiosidades Chinesas... de novo! =]

     
     

    Curiosidades Chinesas... de novo! =]

    Eu não sei ao certo quantos posts já escrevi com esse titulo, mas é que sempre acho alguns ‘tips’ em revistas, livros, jornais locais. Aí vou juntando e quando tem um bom conteudo, passo para o blog. Mas esse pais tem curiosidade para mais de séculos de blog! Uiiiii e também estatistica para tudo!! Nunca vi tantos dados compilados e comparativos como aqui, disponibilizados em notas de rodapé, em destaque nas matérias, em colunas especializadas em divulgar esses curiosos dados.

    Então vamos às curiosidades selecionadas para hoje:

    ·         Existem hoje cerca de 52 bilhões de meninos a mais do que meninas na China. E com 119 meninos nascendo para cada 100 meninas (no mundo os dados são de 107 meninos para 100 meninas), a China será um pais de solteiros em breve. Segundo as estatísticas oficiais, a previsão é de mais de 40 milhões de homens solteiros em 2020!

    ·         De acordo com a lista da Forbes, 6 das 10 mulheres que construiram suas próprias fortunas no mundo estão em Mainland China, sendo a mais rica do mundo, com um patrimônio estimado em US$4.9 bilhões, Zhang Yin, conhecida como a “rainha do papel” de Guangdong.

    ·         Esclarecimento: a expressão ‘Mainland China’, que literalmente quer dizer China Continental, se refere a China dentro da jurisdição do PRC, ou seja a China propriamente dita excluindo-se as regiões  com Administração Especial como Hong Kong e Macau. Como vocês podem ver, os próprios chineses traçam em linhas bem claras o que é China e o que não é!

    ·         O ‘Exército da Libertação do Povo’ é a maior força militar do mundo, com aproximadamente 3 milhões de soldados. Também é o que tem maior número de reservas, chegando a 2,25 milhões de membros, parece muita gente, não é? Mas pensando na população da China que é imensa, esse número é somente 2,6  soldados por 1000 cidadãos chineses.  Só para comparar, os EUA possuem  7,9 soldados por 1000 americanos e a Russia 153,4 por 1000.

    ·         Durante a primeira metade do século 20, Shanghai era o unico porto no mundo com as fronteiras abertas aos Judeus fugidos do holocausto mesmo sem visto de entrada na China. A população de judaica na China em 1940 foi estimada em aproxidamente 36mil pessoas.

    ·         Acredita-se que há mais de 350 milhões de usuários de internet na China, sendo 2/3 deles jogadores compulsivos de jogos online.  O valor da Industria de Jogos online chinesa em 2010, era de mais de RMB20 bilhões.

    ·         China carrega uma infinidade de recordes no Guinness Book por maior quantidade de pessoas envolvidas em uma atividade (alguém  tinha alguma duvida sobre isso??). Entre elas podemos citar: 1197 jogadores de tenis de mesa se reuniram em Guangzhou para um torneio; 1032 pessoas participaram de uma aula de golf em Beijing (ao mesmo tempo...uiii);  1141 se juntaram para uma caminhada descalços em  Chengdu; 10.267 chineses montaram uma linha de dominó humano no interior da Mongólia. Impressionado? Dá uma olhada no website do Guinness... tem muitos outros ‘non sense’ recordes!

                

    ·         Os Jogos Olimpicos de Beijing em  2008 foram os mais caros da história dos Jogos, com o custo estimado em absurdos RMB 263 bilhões, cerca de R$ 85 bilhões (espero que o Brasil não esteja pensando em quebrar ESSE recorde). Os atletas chineses ganharam 51 medalhas de ouro, a maior marca do mundo. Foi a primeira nação, além da Russia e dos EUA, a ir ao topo da lista de medalhas desde os Jogos Olimpicos de 1936 (esse recorde nosso Brasil DEVERIA quebrar).

    Então por hoje é só pessoal! Em breve mais curiosidades sobre essa complexa, curiosa e intrigante cultura chinesa.

    Zài Jiàn!



    Categoria: China
     Escrito por Christine Marote às 07:43
    [] [envie esta mensagem] []



    Moeda Chinesa

     
     

    Moeda Chinesa

    Outro dia peguei um enfeite de porta chinês, e tinha algumas moedas com furo central. E me lembrei que desde sempre, nas lojinhas de produtos esotéricos/naturais no Brasil, vendiam essa moeda como um amuleto de prosperidade, fortuna, sorte. E descobri que não sabia nada sobre isso. Até porque isso não é mais a moeda em vigor por aqui.

    Hoje a moeda é chamada de Yuan, principalmente no mercardo internacional. Mas o nome oficial na China é REMEMBIE (RMB) que quer dizer ‘dinheiro do povo’. A unidade do RMB é que se chama ‘yuan’, 10 remembies e 1 yuan. Já as moedas tem o nome de ‘jiao’ e ‘fen’:  1 yuan = 10 jiao ou 100 fen, como se fosse 10 centavos e 1 centavo para simplificar.  As moedas são como as de qualquer outro lugar do mundo, sem nenhum furinho sequer.

    E de onde sairam os amuletos? As moedas com furo no meio? Essas moedas sempre existiram na China e foram sendo modificadas com o tempo, por desenhos, tamanho, forma e material.

                      

    Mas foi durante a dinastia Qing (1644 a 1912) que ela foi ligada à sorte. Os idosos durante o ano novo chinês passavam as moedas em um fio vermelho, pois acreditavam que essa moeda protegia das doenças e da morte, já que seu nome era Ya Sui Qian , que literalmente quer dizer ‘dinheiro que espanta os maus espiritos ou o diabo’.  Nessa dinastia que o vermelho começou a se fixar como a cor da prosperidade.


    Quando a imprensão se tornou mais simples, surgiram no lugar das fitas vermelhas o envelope vermelho – hong bao, presença obrigatória nas celebrações de Ano Novo Chinês e que se coloca dinheiro para presentear os familiares mais novos e desejar sorte e prosperidade.


    Então as moedas lindas, furadas no centro, foram as antecessoras do cobiçado hong bao! E até então eu nunca havia nem sequer imaginado tal ligação.

    No meu aniversário ganhei de algumas amigas uma Ya Sui Qian gigante! =O

    Obrigada meninas! Para quem achava que era só um enfeite redondo com um buraco no meio, fica a dica! Uiiii, não vale ficar brava, só não podia perder a piada! =P

    Já havia adorado a peça antes de saber disso tudo... agora então vou cuidar dela com muito mais carinho. =]

    Que ela nos traga muita sorte, prosperidade e, voltando às velhas tradições, nos proteja das doenças, da morte e espante os maus espiritos das redondezas. Ufa... coitada da moeda... quanta responsabilidade!

    Zài Jiàn!

     

    Ah... ainda em tempo: OBRIGADA por todas as manifestações de carinho na semana passada pelo aniversário do Blog! Vocês não imaginam como cada palavra me deixou feliz!

    E agradeço à Deus, acima de tudo, que me mostrou o  caminho, que nunca sequer havia passado pelos meus planos, para encontrar um sentido especial para viver aqui.

    Sou muito grata por tudo!

     



    Categoria: China
     Escrito por Christine Marote às 14:19
    [] [envie esta mensagem] []



    Crendices populares.

     
     

    Crendices populares.

    Vocês pensam que só brasileiro é cheio de crenças, lendas e supertições? Que só os ocidentais inventam estórias para as crianças para trocar por bom comportamento e/ou cumprimento de tarefas, como “Assim, Papai Noel não trará seu presente no Natal”...?

    Não! Os chineses são um povo cheio de superstições, crendices populares e... mentirinhas cheias de ‘boas intenções’ para as crianças entrarem na linha...rs

    Encontrei algumas dessas supertições entre meus papeis e resolvi compartilhar, afinal se você estiver precisando de um novo argumento com seu pimpolho, quem sabe a sabedoria chinesa possa te ajudar, né? =O

    Como era de se esperar, elas são baseadas na cultura e costumes chineses, então tem haver com pés de galinha, arroz, pato, porco e chopsticks (palitinhos usados como talher), entre outras coisinhas mais. E como toda boa supertição, é passada de geração a geração!  Vamos lá:

    ★ # Os lenços vermelhos usados pelos jovens pioneiros da revolução eram tingidas com o sangue dos martires. (e.t.: as crianças chinesas usam até hoje um lenço vermelho no pescoço para ir à escola, independente do uniforme, em todas as escolas primárias).

    ★  # Sempre coma a mesma quantidade de pés de galinha ou sua mão vai tremer quando você escrever e os caracteres ficarão ilegíveis. (qualquer minima alteração no desenho dos caracteres pode mudar completamente o significado dele, um traço torto descaracteriza completamente).

    ★  # Se duas pessoas lavam seus rostos com a mesma água, elas vão brigar mais tarde.

    ★  # Se seus chopsticks cairem enquanto você come é sinal que receberá visitas em casa.

    ★  # Se você montar num cachorro, o gancho das suas calças irão se abrir (descosturar ou rasgar, não entendi bem...)

    ★  # Coma rabo de porco e sua cabeça nunca vai parar de sacudir! Aiii.

    ★  # Lave seu rosto duas vezes ou você se tornará um ladrão quando crescer. (OMG!!! Essa é de assustar, deve ser a versão do bicho papão...)

    ★  # Se você comer ovas de peixe, nunca aprenderá a contar as coisas corretamente.

    ★  # Se você morder a sua língua quando falar, significa que terá carne no jantar dessa noite. (esse acho que vem da época da grande fome, onde ter carne na refeição era para poucos).

    ★  # Se você cortar as unhas do pé a noite, você vai levar um tombo no dia seguinte.

    ★  # Se você não cuspir as semente da melancia, vai crescer uma melancia na sua barriga.

    ★  # Se você não terminar o arroz da sua cumbuca, você terá sardas no seu rosto.

    ★  # Se você cair muitas vezes, seu traseiro vai partir em dois. =O

    ★  # Crianças não podem comer as unhas do frango, senão vão rasgar as páginas dos livros quando crescerem.

    ★  # Duas pessoas que dividem a cabeça do pato (para comer), vão acabar brigando.

    ★  # Comer a cera do ouvido faz você ficar mudo. (ecaaaa).

    ★  # Espirrar uma vez significa que alguém está com saudades de você. Espirrar duas vezes seguidas significa que estão falando mal de você. (vamos ficar atentos aos espirros...rs)

     Ainda encontrei alguns que possuem a mesma ‘base’, o mesmo tema, mas com consequências ou ações diferentes:

    ★  # Não aponte para lua com o dedo ou você terá suas orelhas cortadas. (oh, dó! Por isso as crianças costumam apontar com o punho... melhor prevenir sempre, né?)

    ★  # Quando caem, os dentes de leite devem ser jogados no telhado ou enterrados perto da entrada, caso contrário a criança não crescerá. (ou não será um adulto alto).

    ★  # Se abrir um guarda chuva dentro de casa, você não será um adulto alto.

    ★  # Se alguém pisar na sua sombra, você não será um adulto alto.

    Engraçada essa preocupação com o ‘ser alto’, talvez porque os chineses das gerações passadas tinham uma estatura bem baixa, e devia ser o sonho de consumo ser alto. Hoje vemos adolescentes bem altos por aqui. Acima do padrão com que estamos acostumados a imaginar o chinês.

    E para finalizar, achei uma crença que deve ser universal:

    ★  # Criança que brinca com fogo, molha a cama à noite!

    No final dessa brincadeira podemos ver que crenças e supertições são comuns a todos os povos, cada qual utilizando sua cultura como base das ‘lições’. Da mesma forma a invenção de ‘mentirinhas brancas’ (rs) para tentar conter ou ensinar os pequenos também é universal.

    Quando vejo um grupo de adolescentes chineses saindo da escola em bando, rindo, colocando o pé na frente do colega para derrubá-lo, gritando e bagunçando pelas ruas, percebo que todos somos iguais de verdade. Mesmo nas escolas internacionais ou conversando com amigos de outras nacionalidades sobre filhos e comportamento, de um modo geral a situação é a mesma.


    Mudamos de língua, de cor, de localização geográfica, mas somos pessoas que dentro da faixa etária, da condição básica de vida,  temos mais ou menos as mesmas reações e atitudes. Crianças querem suas mães/pais, adolescentes querem distância deles, jovens morrem de saudades da comida de casa e dos pais!  E os adultos reclamam das mesmas coisas sobre os filhos.

    E todos usamos as mesmas frases feitas, herdadas das gerações anteriores, para lidar com a vida, seja em que parte do globo estamos vivendo.

    Zài Jiàn!



    Categoria: Viver na China
     Escrito por Christine Marote às 05:24
    [] [envie esta mensagem] []



    2 anos escrevendo sobre a China!

     
     

    2 anos escrevendo sobre a China!

    É isso aí gente, hoje 13 de setembro fazem 2 anos que postei o primeiro texto, iniciei o Blog.

    Comecei a relatar a China na minha vida, voltei no tempo, fiz planos para o futuro, relatei o presente. Li muito, pesquisei, descobri coisas que talvez se não tivesse que escrever aqui, não tivesse descoberto.

    Reatei contato com velhos amigos. Alguns conhecidos de antes agora são pessoas que me empurram todos os dias para frente. Amigos novos de toda a parte. Blogueiros aqui de Shanghai e da China que escrevem quase as mesmas coisas que eu, mas adoramos ver os pontos de vista um do outro. Pessoas que fotografam coisas nas ruas e me enviam as fotos, meus fiéis colaboradores (ok, alguns não tiveram escolha, democraticamente decidi usar as fotos deles e deixei um recado no facebook), pessoas queridas que me incentivam sempre. Que me mandam links, matérias e ideias do que escrever, ou porque viveram ou porque tem curiosidade de saber mais sobre o tópico. Dei entrevista, participei de um programa de turismo na TV da minha região no Brasil. Até convenci pessoas a vir conhecer a China! =]


    Ouvi coisas do tipo: “como pudemos conviver tanto tempo e só agora te conheço de verdade?”, ‘obrigada por me ajudar a me adaptar nessa cidade’, ‘queria te agradecer pelas informações sobre a rotina aqui, cheguei há um mês e tudo que você relata é exatamente o que vemos nas ruas...’ e ainda “ah, minha mãe é sua fã!!’ Amei, né? =], “Poxa, mas você é muito engraçada”... olha, juro que não sou, sou uma pessoa séria, mas aprendi a ver o lado menos ruim das coisas, sempre dá... mas já dei muita risada desse comentário, porque mais de uma pessoa falou isso e eu nunca me imaginei assim!  Essas e tantas outras coisas, que agora me vem a cabeça, tantas lembranças de pequenos comentários, de encontros e desencontros, de pessoas que são queridas mesmo sem conhecer ao vivo (ainda), que me impulsionaram e não me deixaram desistir. Meus fâs de carteirinha que comentam TODOS os posts; os que nunca comentam, mas me enviam email ou deixam um recado no FB. Os que religiosamente abrem o blog toda semana, os que leem esporadicamente, quando lembram. Todos vocês recebam meu grande abraço e meu obrigada, de coração! Se o blog continua existindo, vocês também tem sua parcela de responsabilidade!

    Claro que eu sabia que a internet é uma coisa inexplicável e que o alcance disso é incontrolável. Mas realmente a coisa vai muito além do que podemos imaginar. Mesmo este blog não sendo um fenômeno de audiência, comparando com outros blogs que visitei, tenho orgulho enorme das quase 27 mil visitas nesses 2 anos. Para quem achava que não escreveria mais do que 2 meses, acho que estou com uma média razoável! A página do blog no Facebook também me surpreendeu e não cheguei nos 250 likes ainda, mas adorei a interação que aquele espaço proporciona com meus leitores. Além de ser mais um canal onde posso postar noticias, mais fotos e conversar on line com as pessoas.

    Gente, como era a vida antes da internet???? Não consigo me lembrar... Aff, mas morar na China antes disso deveria ser uma coisa realmente louca!

    Escrever, nunca pensei que poderia fazê-lo assim, como faço no blog. Foi mais uma das bençãos da China na minha vida! O pior, ou melhor, depende de que lado estamos olhando... é que eu adoro esse blog, escrever sobre a China, ler e aprender mais. Aqui em minha volta tenho centenas de revistas, todas marcadas, livros sobre a história, comportamento, artes e filosofia chinesa. Gosto de escrever e contar as coisas sob meu olhar, como descobri, o que me surpreendeu. Adoro postar as fotos ‘non sense’ que tiramos por aqui, mas amo escrever sobre um livro que li, um fato histórico que tem ligação com o presente, as conquistas e nossas dificuldades e facilidades do dia a dia do outro lado do mundo.


    O blog já faz parte da minha vida, bem como a China. Posso até ficar alguns dias sem postar, mas tenham certeza que não passo nenhum dia sem procurar, fotografar ou falar para alguém sobre ele.

    Por tudo isso resolvi conhecer um pouco mais de toda essa cultura tão cheia de mistérios e cantinhos escondidos, de poesia e brutalidade, de falta de lógica (ocidental, claro) e às vezes de uma simplicidade para solucionar o dia a dia que nos espanta. Nesse sábado inicio meu MBA China: cultura e negócios na Shanghai Jiaotong University. Mais uma que a China aprontou comigo: jamais passou pela minha cabeça voltar a estudar aos 48 anos de idade! Mas até cachorro eu tenho agora... O que é um curso a mais no meu curriculo? =]

    O blog também passará por modificações de layout, mas não agora. Ainda não encontrei exatamente o que quero para colocar aqui. Estamos estudando possibilidades. Só sei que preciso interagir mais com todos vocês e infelizmente, com meu conhecimento sub-basico de computador, a UOL não facilita muito minha vida para colocar botões de ‘seguir’, ‘compartilhar’, interagir com outras redes, fazer um layout mais personalizado. Por outro lado, esse provedor não é bloqueado aqui na China e todos podem acessá-lo sem VPN. Mas, escolhas precisam ser feitas de vez em quando, e vou optar pela interação. Fiquem tranquilos, nada acontecerá de repente. Lembram que a China me ensinou a ser paciente também?hummm... menos ansiosa eu diria!

    É isso gente! OBRIGADA por todo carinho que venho recebendo e, principalmente, pela credibilidade que vocês me dão.

    Tenho certeza que a China também está na vida de cada um de vocês!

    Parabéns para nós!

    Zhù ni shèng ri kuai lè ao Blog!

    Zài Jiàn!

     “Se quiseres que algo se contraia, primeiro deves deixar que se dilate.
    Se quiseres te desfazer de algo, primeiro deves deixar que floresça.
    Se quiseres pegar algo, primeiro deves deixar que te seja dado.
    Isto se chama a sutil percepção da forma como são as coisas.”

    (Lao Tzu)  



    Categoria: Viver na China
     Escrito por Christine Marote às 06:39
    [] [envie esta mensagem] []



    As boas mulheres da China (livro)

     
     

    As boas mulheres da China (livro)

    Esse foi um dos ultimo livros que li sobre costumes e sociedade. Escrito por Xinran, uma jornalista que vivia em Nanquim, o livro é a coletânea de relatos e entrevistas que ela fez num periodo de quase 10 anos (1989 a 1997), por diversos locais e provincias chinesas, tentando mapear qual seria a realidade da mulher chinesa pós revolução. Desde 1983, quando o então presidente Deng Xiao Ping, iniciou a abertura na China, mas dentro de um processo lento e cauteloso, além de controlado, os jornalistas puderam começar a se aventurar a buscar meios de passar as notcias da própria China e do mundo de maneira mais clara e direta. Até então (desde 1949) tudo era extremamente controlado, vigiado e severamente punido. As noticias do mundo pouco chegavam até aqui. Era como se nada existisse além daquela realidade, além da China.

    E, num parênteses,  isso foi muito interessante de notar, por exemplo, em 2005 quando estávamos em Chang Chun, percebemos que o Brasil era sinônimo de futebol. Até ai nenhuma novidade... Os idolos eram Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho. Ninguém podia perceber que éramos brasileiros que lá vinha o jargão: ‘Baxi football Lonaldinho han hao!’, a grosso modo: Brasil futebol, Ronaldinho muito bom! Mas se falávamos de Pelé, ninguém sabia quem era, se ouvia o conhecido ‘meyou’ ou ‘bu shi’. Ambas palavras negativas. Ai pensando um pouco cheguei a conclusão que realmente eles não poderiam saber quem foi o atleta do século na década de 1970!

    Bom, mas Xinran comandava um programa de rádio que tinha como objetivo ser um canal aberto para a mulher falar de seus problemas, medos, sonhos. Atividade extremamente audaciosa até hoje na China. Naquela época então, a considero uma desbravadora. Claro que esse programa era realizado na madrugada, e na maioria das vezes ela recebia cartas e relatos fora do ar. Para a mulher chinesa era e ainda é muito dificil falar de sentimentos. Melhor dizendo: para o chinês de modo geral. O que se pensar então de se abrir e remexer num porão de mágoas, sofrimentos, humilhações, traumas e isolamento.

        

     

    Além desses relatos, ela fez visitas in loco, em muitos lugares e entrevistou mulheres (muitas sem nem saber que estavam sendo entrevistadas) que relataram histórias inimagináveis para o mundo entrando no século 21. Com todo esse material em mãos, ela resolveu publicar um livro, mas foi proibida pelo governo. Assim ela resolveu sair da China e mudou-se para Londres. Lá publicou não só esse, como mais 5 livros. As Boas mulheres da China (The Good women of China) foi publicado em 2003.

    É um livro muito interessante, mas muito triste também. Algumas histórias chocam, outras emocionam. Há as que nos fazem vibrar pela garra e determinação de um ser humano frente uma situação extrema de sofrimento e dor. Existem alguns relatos pessoais também, da infância que não consegue esquecer, como é o titulo de um dos capitulos. Sinceramente, fiquei aliviada quando terminei. Como se fechando a ultima página, acabariam minhas reflexões sobre o que li. Mas a nossa mente nem sempre nos obedece, né? E sempre me vem na cabeça algumas das histórias que li quando vejo algumas senhorinhas na rua (como a que fazia pulseiras de jasmim, que publiquei a foto outro dia), ou mulheres da minha geração, na faixa de 40 a 50 anos que nasceram e cresceram durante a época da fome, e dos extremos partidários. Tantas perguntas pipocam, tantas respostas me faltam. É uma sede dificil de saciar, principalmente por conta do idioma e da dificuldade que o chinês tem de se abrir, de falar do próprio sentimento. Outro dia ouvi uma moça de 22 anos me dizer ‘ainda temos medo, não é fácil mudar’. Hoje o livro não me assusta mais, fiz as pazes com ele.

    Agora o que mais me marcou, e que segundo a autora um dos motivos que a impulsionou a fazer a viagem a Londres em 1997, foi o relato da visita que fez ao Vale do Grito. Meu Deus, as pessoas viviam em pleno 1996, como na idade das cavernas, literalmente. Quando citei acima que algumas mulheres não sabiam que estavam sendo entrevistadas, foram as dessa aldeia. Xinram decidiu nem tirar da bolsa a maquina fotográfica, ou qualquer outro objeto que pudesse sequer despertar algo de curiosidade naquelas mulheres, naquele povo. Ela cita que ficou com medo de não saber como explicar que fora daquelas cavernas existia um mundo. Vocês podem imaginar que exista um povoado sem luz, acesso a bens de consumo banais para os dias de hoje como geladeira, rádio, cama, copos? Pois aquele povoado era, ou é pois nunca mais ouvi nada sobre eles, assim. O desespero dela, o pavor, era de despertar naquelas pessoas a curiosidade sobre um mundo que elas nem sequer sonhavam que pudesse existir. Não sei se vcs conseguem entender o que estou falando sem ler o texto, mas é extremamente pertubador. Não pelas condições de vida somente, mas por percebemos que existem pessoas ainda vivendo nas mesmas condições de vida de 8 mil anos atrás. Uma loucura, completa.

    Vale à pena conferir!

    Zái Jiàn!

     

     



    Categoria: China
     Escrito por Christine Marote às 06:36
    [] [envie esta mensagem] []



    Tendencias para próxima estação!

     
     

    Tendencias para próxima estação!

    Ando meio sumida, eu sei. Mas por motivos bem legais. Primeiro uma agenda cheia, fazendo mil coisas ao mesmo tempo e dando uma organizada na vida. Depois da semana em Hong Kong, estou com hóspede em casa. Mas uma hóspede querida e amiga, que voltou à China para matar a saudades de Shanghai. Sim, ela já foi ‘shanghainesa’ e há um ano mudou para Holanda. Mas aqui, para algumas pessoas, é como beber água da fonte: jamais se perde totalmente o vinculo, e aí como hoje vamos visitar o Brasil, depois que saem daqui, as férias invertem a direção.  Eu mesma quando estava em HK, apesar de toda a civilidade, estava com saudades da bagunçada Shanghai. =]

    Mas, vamos em frente! E aqui o tempo começa a ficar viável. O calor absurdo dando uma trégua e se preparando para o Outono e as baixas temperaturas. Uma das melhores épocas do ano por aqui. Só que com a mudança da estação, tudo entra no ritmo de transição e as vitrines, as cores nas ruas e os movimentos da cidade vão se transformando. Não importa quanto calor esteja fazendo ainda, mas as blusinhas e as bermudas já estão sumindo das araras e dando lugar aos casacos, jaquetas e blusas de lã. Pois, se o verão acaba no calendário, tem que acabar na vida real também. E outono é tempo dos casacos leves e sapatos fechados. Acho essa sazonalidade uma coisa bem interessante por aqui, pois no Brasil, em Santos pelo menos, temos as 4 estações do ano num só dia. Aí fica dificil entender ‘mudar de estação’ tão pontual como o daqui.

    Se no mês de outubro você precisar desesperadamente de um biquini, esquece. Será uma das coisas mais dificeis de encontrar, porque não é verão. E assim vai com tudo. As lojas também começam grandes liguidações (mas de verdade, como na Europa) e aproveitam para divulgar seus novos produtos com cara de frio. Por sinal, até a semana passada dava até mal estar entrar nas lojas e dar de cara com pilhas de casacos de lã. Estávamos muito perto dos 40° ainda, mas fazer o que se o calendário e o cronograma nos mandam vender casacos? Essa lógica oriental continua dificil de assimilar.

    Junto com as ofertas, acabei achando uma linha de tenis que não poderia deixar de compartilhar com vocês! Ou eu estou muito fora das tendências ou o povo aqui, mais uma vez, errou na mão. Vejam com seus próprios olhos:

                      

                      

    Não, eles não são tenis infantis. De 8 a 80 anos, qualquer um pode sair com seu pé devidamente na moda. Aceito encomendas, ok? Além disso os pijamas são um capítulo à parte. Eles têm que proteger do frio. E para isso nada melhor que um gostoso macação térmico. Mas ai volta a história do limite entre o normal, o engraçado e o completamente doido. E não basta ser um casal, tem que usar pijamas que se completam.... uiiii.


     

          

    Mas que são bonitinhos, ah isso eles são...rs

    Zài Jiàn.



    Categoria: Viver na China
     Escrito por Christine Marote às 15:38
    [] [envie esta mensagem] []



    [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]