Meu perfil
BRASIL, Mulher, Portuguese, English, Livros, Viagens

Histórico
    Categorias
    Todas as Categiorias
      China
      Viver na China


    Votação
    Dê uma nota para meu blog


    Outros sites
    Baobei Foundation - Precious life, precious child.
    Shanghai Connection
    Glaucia Garcia
    Laço do Infinito
    A lira do mercador chinês - Gilson Rosa
    Só sei que nada sei...
    Things become things.
    Tofu na China
    Palavras Vagabundas
    Receitas e tradições
    Expressões
    Doce Encanto
    PapelPicote
    Centro Espírita Irmã Cristina - Praia Grande - SP
    Sobreviver em Sinop
    Arquitetura Fashion
    Mentirinhas do Coala
    Jardim Valentina
    Brazilian Abroad - Brasileiros no exterior
    Do you Shanghai?
    A vida em mandarim
    Diário de Bordo - Agamenon Plait







    Acho que só na China mesmo...

     
     

    Acho que só na China mesmo...

    Tem coisas que nunca vi num outro lugar do mundo, mas pode até ser que exista... Aprendi a não duvidar das coisas, até as mais inusitadas, há algum tempo.

    Mas se alguém conhece algum lugar que reúna um numero enorme de carros excêntricos e caros, por favor me avise. A China é um celeiro deles. E pelo que vejo por aqui, acho que Shanghai é de onde saem as melhores ‘pérolas’. Dêem uma conferida em mais dois exemplares que circulam pela cidade:

    O Mini creme não é muito exclusivo, pois aqui no blog mesmo já publiquei mais dois com cílios, apesar de cada um ter sua identidade.

    Esse rosa, nada mais que uma Porshe Cayman, veio concorrer diretamente com a Ferrari que também já publiquei aqui. E a maior coincidência é que essa Porche foi publica pela Giovanna Barbiere, no seu blog na mesma semana que publiquei a Ferrari. Ou seja, quase uma indignação coletiva. J

    E ainda encontrei dentro de um condomínio, uma Mercedes estacionada na porta, apesar de ter uma corrente e uma placa dizendo que ali não podia estacionar. Mas até imagino que o chinês, feliz e rico proprietário, achou que essa pequena regra não era para ele, afinal ele é rico e pode tudo (como funciona a cabeça da maioria dos chineses milónários², por aqui) e estacionou mesmo assim. Mas não é que recebeu uma notificação e, para não fugir sem as devidas sansões, colocaram um cadeado (como os de bicicleta) na sua roda dianteira. Que vexame!!!

    Não fiquei para ver o final da história, para deve ter rolado um bom ‘barraco’! Chinês conversando já é um horror, imaginem brigando e discutindo de verdade.

    E para finalizar nossa coleção de excentricidades, procurando por uma outra casa, (sim vou mudar de novo... mas essa história fica para outro dia), encontrei esse anuncio:

    Se você não reparou em nada de anormal, excêntrico ou pelo menos extravagante, recortei o anuncio para que todos possam encontrar os devidos zeros do preço e do tamanho da casa (casa????):

    Bom, não consigo imaginar uma casa de 1800m², o pior é que depois, selecionando algumas casas, achei outra no mesmo condomínio com 2000m² (dois mil metros quadrados)!

    Alguém pode me explicar como é uma casa desse tamanho. Juro que não consigo. Só sei que nunca mais ia achar meus filhos dentro dela e do jeito que me perco, precisaria de um GPS para encontrar os cômodos.  Também acredito que, fora os castelos de verdade, ninguém pode chamar de casa uma construção desse tamanho. Só o chinês mesmo!

    Zài Jiàn!



    Categoria: Viver na China
     Escrito por Christine Marote às 14:43
    [] [envie esta mensagem] []



    Mercado das Flores.

     
     

    Mercado das Flores.

    Como prometi, aqui estão às fotos do Mercado das Flores (Huāhuì shìchǎng) de Puxi, perto da minha casa. Flor é 'Huā'.

    Sinto dizer que sou muito amadora no quesito fotografia. Não tenho máquina boa, sempre me esqueço de levar a pequena, então o que funciona mesmo é a do celular.

    Hoje sinceramente, máquina fotográfica de boa resolução, é um item indispensável nos aparelhos que olho. Se não fosse assim, não poderia ilustrar a maioria dos posts desse blog! E também tem o fato, que celular sempre está na mão, e muitas vezes quando nos vêem tirando foto logo vem um funcionário pedindo para parar. Com o telefone fica mais fácil dar uma disfarçada em locais como um supermercado ou mesmo dentro de um banco. J

    Mas tudo isso, só para justificar as fotos que posto aqui!!! Claro, né? Tenho que defender as minhas postagens. E aqui entre nós, tem fotos que eu só posto porque ficaria muito sem sentido se não pudesse mostrar o fato. Mas muitas vezes fico um pouco frustrada com o que vejo aqui e com a realidade que fotografei. Não bate, sabe? A foto não consegue traduzir ou reproduzir com fidelidade a cena que vi. Mas vamos embora assim mesmo...

    Voltando as flores, o mercado é composto por dois enormes galpões que funcionam como estufa no verão e freezer no inverno. Somente as lojas de orquídeas são fechadas e possuem sistema de refrigeração e aquecimento. Os demais boxes são abertos e as flores e plantas expostas uma ao lado das outras. No começo é difícil se tornar freguês de uma loja só, é tudo muito parecido, mas depois de um tempo a gente aprende. No primeiro são praticamente só flores e plantas, mas tem algumas lojas de decoração e louças.

    No segundo há uma parte da entrada com peixes (há outros animais também, mas em numero bem pequeno. O forte são os aquários e os acessórios para eles). Depois numa segunda ala há muitas lojas de móveis, decoração, louças e cerâmica, velas e cestas. Bom, não dá para descrever tudo, mas é de ficar enlouquecido aqui com tantas coisas lindas, mas pouco valorizadas pelo chinês comum. Os estrangeiros são os aficionados pelos móveis e vasos chineses, portanto os preços por aqui são para estrangeiros. Mas ainda baratos, acreditem.

    Do lado de fora, ainda tem algumas lojas de louça e quadros e as flores campestres em vasos de plástico. Muita pechincha e a difícil missão de escolher que flor levar. Pessoalmente, sou apaixonada por orquídeas. No Brasil sempre tinha uma na sala, mas aqui posso ter meia dúzia pelo mesmo preço! Essa é a parte boa.

    E para não comprovar, eis minhas compras da semana passada: 5 orquídeas (2 pequenas e 3 enormes), 3 vasos de flores campestres, 1 vaso de plantas, 1 maço de flor bico de papagaio (acho), um maço de folhagem e 2 arranjos prontos com o vaso de vidro transparente. Tudo isso custou 320 remembies, traduzindo: 80 reais. Era quase quanto eu pagava por uma orquídea há 3 anos atrás e numa floricultura de bairro, nada de luxo.

    Bom essa é uma das boas coisas de se viver na China, poder ter sempre a casa florida e cheia de energia.

    Zài Jiàn!



    Categoria: Viver na China
     Escrito por Christine Marote às 08:46
    [] [envie esta mensagem] []



    Como sobreviver na China

     
     

    Como sobreviver na China

    Pessoal, esse texto eu copiei, literalmente, de um blog que já citei aqui. Mas como a Gabriela também copiou no blog dela, então não estou cometendo uma falha tão grande assim! J É que achei interessante e tomei a liberdade de fazer alguns comentários no meio dele, que estão em destaque. Infelizmente, a Gabriela (e muito menos eu), sabe quem criou essa pérola. Mas com certeza foi alguém que veio para cá há pelo menos 6 ou 7 anos atrás!

    “Traga o seu próprio desodorante. Traga o seu próprio café. (esses 2 itens, em cidades como Shanghai, hoje você encontra fácil e de boa qualidade. Mas claro que como boa brasileira sempre trago meu café na mala!)  Acostume-se com o cheiro de urina. Sorria, muito. Aprenda a dizer de onde você é (no nosso caso, Baxi.). Entenda que não é rude se alguém perguntar quanto dinheiro você ganha. Ouça música. Leia. Seja paciente. Não beba água da torneira. Tente tudo pelo menos uma vez, especialmente o que você acha nojento, você terá uma boa história pra contar. (uma não... várias!!) Se você é um homem, carregue um maço de cigarros com você e ofereça a qualquer homem que encontrar. Eles provavelmente não vão aceitar, mesmo se eles fumarem, mas vão valorizar esse gesto. (Se você é mulher, lenços de papel, lenço umedecido e gel para mãos é fundamental.)

    Tente não pensar em termos de certo ou errado, rude ou educado, sujo ou limpo. Pergunte tantas perguntas quanto você puder. Não fale de política. Coma muito macarrão. Coma muita fruta, mas sempre lave-as. Não seja tímido. Vá ao karaokê. Não fale sobre o Japão. (NUNCA, principalmente nas cidades do Norte!) Se você gosta de jogar basquete, vá jogar com estranhos. Apesar do fato de que os chineses não fazem isso, olhe para os dois lados antes de atravessar a rua. Traga seu próprio fone de ouvido. Traga o seu próprio fio dental (também não precisa mais, já tem aqui.). Nunca pague o primeiro preço que oferecerem. Não faça nada que leve você pra cadeia. Descubra o que pode e o que não pode levá-lo pra cadeia, você vai se surpreender (só um exemplo: dirigir com teor alcoólico acima do permitido são 9 meses de cadeia, sem choro, sem advogado, sem fiança...)

    Não enlouqueça quando alguém invadir seu espaço pessoal. Tente não comer comida ocidental, é caro e muitas vezes você não vai ficar satisfeito (outra coisa que Shanghai já superou, mas qualquer lugar há uma hora daqui é suspeito.). Visite a Grande Muralha, o Exército de Terracota, o Palácio de Verão, mas não gaste muito tempo nisso. Se perca. Fique à vontade. Caminhe lentamente. Aprenda a usar os pauzinhos. Compre ou alugue uma bicicleta. Passar dentro e fora do tráfego de carros, evitar táxis e tocar sua campainha para afastar os pedestres do seu caminho vai fazer você se sentir como se fosse um deles (e uma pessoa com o verdadeiro espírito de aventura, eu diria.). Não entre na água. Acostume-se a dormir em uma cama dura.
    Não economize “obrigado” quando as pessoas realmente te ajudarem e tente economizar “Sinto muito”, quando você incomodar alguém. Você usar demais só vai fazer eles rirem. Se você aprender a ler os caracteres, aprenda os alimentos em primeiro lugar. Não se preocupe com boas maneiras na mesa. Fale com a boca cheia de comida. Arrote. Beba seu chá fazendo barulho (o mais alto que puder). Vá a uma casa de chá e experimente tantos tipos diferentes de chá quanto desejar.

    Você vai querer comprar um monte de porcaria, mas até ao final de sua viagem você vai perceber que a maior parte das coisas que comprou, é uma porcaria (imaginem uma pessoa que está vivendo aqui há anos...). Reserve o dia para não fazer nada. Faça muitas piadas. Não durma muito, os chineses acordam muito cedo e você pode perder muita coisa. Não vá para muitos templos. Se você já viu um, então viu todos.

    Mantenha os olhos abertos. Não desanime. Vai ser difícil, mas tente não pensar em casa. Lembre que todo dia você está indo dormir no outro lado do mundo, na civilização mais antiga do mundo. Pergunte a si mesmo perguntas sem respostas e fique satisfeito com isso. Vá empinar pipa. Isso não é só para crianças.”

    Depois de ler tudo isso, espero que você não tire a viagem à China, da sua lista de desejos, até porque, estou aqui e terei o maior prazer em te mostrar o caminho das pedras! J

    Zái Jiàn!

     



    Categoria: Viver na China
     Escrito por Christine Marote às 00:29
    [] [envie esta mensagem] []



    Mais fotos da 'quermesse'!

     
     

    Mais fotos da 'quermesse'!

    Olha, no dia que postei sobre a quermesse não consegui colocar todas as fotos...

    Uma injustiça, por isso resolvi colocar hoje. Afinal, como recebi um comentário num e-mail, já estou 'chinesando'. Mas quem me escreveu até fala mandarim fluente. Ou seja: é muito mais chinesa que eu, né Cida? rs

    Agora, que a gente anda por aí tentando achar alguma semelhança com o que nos é familiar, ah... isso andamos mesmo!

    Como já falei, as fotos não são lá essas coisas, mas dá para ter uma ideia do contexto.

    Agora, já que estamos falando em buscar semelhanças, encontrei um café chamado "Você"! Vai me dizer, que você não pararria para tirar uma foto, estando do outro lado do mundo?

     

    E o que dizer de estar andando num shopping nada há ver, e dar de cara com uma loja exclusiva da Melissa? Não sou fã desses sapatinhos, mas que é uma surpresa, isso é

    Zái Jiàn!!



    Categoria: China
     Escrito por Christine Marote às 23:30
    [] [envie esta mensagem] []



    Quermesse na terra de Mao?

     
     

    Quermesse na terra de Mao?

    Pois é... Foi a primeira coisa que me veio à cabeça, quando virei a esquina e me deparei com um monte de barraquinhas, parquinho para os pequenos, fumaça saindo de uma churrasqueira (ou algo muito parecido), luzes e bandeirinhas e gente andando em volta disso tudo, sentadas em mesinhas de plástico, comendo e se divertindo. No Brasil isso se chama QUERMESSE!

    Mas aqui nada mais era do que a promoção de um shopping que tem ao lado de casa para ocupar um espaço imenso que existe na frente dele, além de atrair mais pessoas para lá, já que dentro do mesmo, está acontecendo uma feira pré-inverno.

    De todo o jeito, fotografei! Já que o meu lado emocional e saudoso não agüentou ver aquilo. J

    Agora, me digam se não tenho razão?

    Mais uma vez as fotos não estão lá essas coisas, mas dá para ter uma idéia do contexto.

    Cada dia que passa, acho mais semelhanças entre a China e o Brasil. Ok, nas devidas proporções e culturas. Mas que temos muitas coisas em comum com o povo chinês, isso temos!

    Zái Jiàn!

     



    Categoria: China
     Escrito por Christine Marote às 12:17
    [] [envie esta mensagem] []



    Comércio de rua.

     
     

    Comércio de rua.

    Já que falei dos ambulantes, resolvi descrever o comércio de rua. Mas não estou falando daquele comércio que fica na rua, ou seja, fora dos shoppings, das galerias; lojas com espaço delimitado, porta que abre e fecha dentro do horário determinado como ‘comercial’. O ‘comércio de rua’ a que me refiro é literalmente o que está estabelecido na RUA ou na calçada, no meio do povo passando aos milhares. Lembre-se que aqui o conceito de privacidade, de público e privado, ainda é muito relativo. Uma coisa cultural que precisará de muito tempo para mudar.

    Mas claro que não vemos isso na Shanghai globalizada, no gueto em que vivem os estrangeiros e turistas.  Esse tipo de comércio está nas pequenas ruas que circundam o espaço nobre, nos becos e nos bairros mais populares (ou chineses de verdade). É só andar 100m fora das principais avenidas que damos de cara com a realidade.

    Pois bem, agora que está esclarecido o ‘conceito’, vamos ao que interessa.

    Está precisando cortar o cabelo, fazer a barba ou as unhas? Que tal se utilizar de um dos cabeleireiros/barbeiros de rua? Sim, existem aos montes. É só chegar e sentar. Por 10 remembies se corta o cabelo, mais alguns trocados, teremos o serviço completo.

             

    Esses três 'flagrantes da vida real na China' foram feitos por Marli, Cida e Liliane, respectivamente. Xiè xiè, péng you!

    A roupa precisa de um reparo? As costureiras com suas máquinas portáteis estão ali para isso. E há até os que se enrolem num pano para experimentar ali mesmo. :O

        

    Está precisando de um reparo em casa? É só passar numa rua que vende material de construção de um lado e do outro podemos ver centenas de homens sentados com suas plaquinhas oferecendo o serviço. Pelo menos isso foi o que meu motorista me explicou sobre o que estava escrito nas plaquinhas! A foto não ficou muito boa, mas dá para ter uma idéia.

    Esse tipo de serviço, também se encontra para aluguel de carros e vans. E os que vêm com 3 relógios e uma cartela com fotos das bolsas mais badaladas, te abordando na calçada e oferecendo como ‘oliginal and vely good quality’. Só que nesse caso, tem que se acompanhar o ‘agente’ até sabe-se lá aonde... provavelmente um quartinho atrás de uma loja de roupa ou coisa parecida. Mas aí já vamos entrar em outro nível de comércio, que prefiro deixar fora desse espaço.

    E aí? Decidiu em qual ‘hair studio’ você vai dar uma repaginada no seu visual?

    Zái Jiàn!



    Categoria: Viver na China
     Escrito por Christine Marote às 12:39
    [] [envie esta mensagem] []



    Ambulantes chineses.

    Sim, aqui tem vendedor ambulante e mais: ‘camelô’ aos montes...

    Afinal, a China é o maior fornecedor dos ambulantes do mundo, em especial os do Brasil...rs. Podemos dizer que temos aqui uma Rua 25 de março (SP) à céu aberto,  de proporção gigantesca!

    O mais engraçado é que existe os ‘caça ambulantes’ ou camelôs, como no Brasil. Aqueles carros com policiais locais, que vão andando devagar e ‘coletando’ o material dos ‘comerciantes populares’. E, para meu espanto, ou não..., os ambulantes também usam aquele mesmo pano com 4 alças nos cantos e quando recebem o alarme (sim, também tem o cara que fiscaliza a área em nome dos trabalhadores) que a fiscalização está por perto, puxam as alças e saem correndo com a mercadoria. Olha, vendo isso, me sinto em casa! J

    O que eles vendem aqui? Exatamente as mesmas coisas que no Brasil: CDs, DVDs, meias, bolsas, bijox, brinquedos etc etc etc. Mas claro, com alguma peculiaridade chinesa agregada. Em termos de brinquedos, na semana passada, encontrei dois tipos bem interessantes. O primeiro um vendedor de bolas, que tinham o formato de um porco. Mas o cara estava literalmente envolvido com o negócio. E o melhor: andando, atravessando rua (fato que não é tão simples assim, por aqui) e ainda olhando em volta atrás de potenciais clientes. Realmente um artista!

    O segundo é mais pitoresco: vi um monte de ‘chaveirinhos’ coloridos pendurados num suporte no meio da calçada com algo que parecia água, gel ou algo similar. A curiosidade falou mais alto e cheguei perto.

    Peixes e tartarugas!!!! Em alguns potes tinham dois peixes. E eram dezenas de potinhos!

                      

    Fora isso ainda tem os vendedores de frutas cortadas no palito, igualzinhas as da Rua 25 de março, marmitas em isopor, batata e mandioca assada (esses carrinhos lembram os de milho verde) e os sazonais (fogos de artifício na época do ano novo chinês, chapéus no verão, botas de neve no inverno).

    No quesito ‘ambulantes’ estamos realmente em conexão direta com a China. Só me resta a pergunta: quem foi o criador de toda essa ‘tecnologia’? A China ensinou ao Brasil ou o Brasil à China? Ou será que isso é uma aptidão inerente ao ser humano, independente de raça, cor, religião? Pois é... Quem nasceu primeiro o ovo ou galinha?

    Zái Jiàn!

     



     Escrito por Christine Marote às 21:09
    [] [envie esta mensagem] []



    Fotografando por aí...

     
     

    Fotografando por aí...

    Como já disse, ainda estamos no feriado... e amanhã, sábado, a vida volta a rotina. As escolas reabrem (ao menos as chinesas), em empresas tem expediente normal.

    Mas por conta dessa longa semana de ‘dolce far niente’, andamos por aí. E nessas horas, encontramos todos aqueles cenários pitorescos, a que sempre me refiro, mas quando pego uma situação que eu possa fotografar, ao vivo, não resisto...

    Acho interessante, porque vocês podem ter certeza que essas coisas ainda são comuns e cada vez mais, tenho certeza, que existem duas Chinas: a real e a que a mídia mostra e o governo se empenha em construir. Não que os arranhas céus, os viadutos, a economia não sejam reais, mas estão num ponto bem acima da realidade dos milhões de chineses comuns. É só sair de Shanghai, não precisa ser mais do que 30km, que nos deparamos com outra realidade.

    Bom, mas vamos ao que interessa! Ontem andando pela estrada para chegar numa cidadezinha vizinha, nos deparamos com essa cena na estrada. Tudo bem, uma estrada vicinal... mas vamos combinar que a coisa é surreal, né?

              

     

    E esse moço estava na mesma estrada!

    Acho que esse tipo de ‘jeitinho’ chinês, que supera o brasileiro em anos-luz, vai ser difícil de mudar. Por mais absurdo e perigoso que possa parecer (e é!). E lá em Jiaxing (exatamente 87km de Shanghai), os ‘taxis’ ainda são na pedalada. A tecnologia das scooters ainda não chegou por aqui!

    E para finalizar, a Ferrari cor de rosa que eu citei há alguns meses atrás (veja aqui), mas não tinha a prova cabal. Vai que vocês começam a imaginar que enlouqueci depois de conviver diariamente com tanta coisa diferente, podemos dizer...

    As vezes dou risada dessas coisas... 7 anos convivendo com a China e isso ainda me espanta! J

    Zái Jián!



    Categoria: Viver na China
     Escrito por Christine Marote às 01:34
    [] [envie esta mensagem] []



    Viva a PRC!

     
     

    Viva a PRC!

    Estamos num feriadão por aqui. O principal feriado nacional, depois do ano novo chinês, claro. Mas esse é de cunho político, patriota. Diferente do ano novo que é tradição e cultura.

    Bom, primeiro de outubro é o dia Nacional da República Popular da China (People’s Republic of China – PRC), nesse dia em 1949, Mao Tse-tung proclamou a República Popular da China, declarando que o "povo chinês se pôs de pé". E aí, como o nosso 7 de setembro, tem muita festa por aqui. Na realidade, nem se compara com as comemorações brazucas. Não esqueçam que aqui tudo é grande, enorme e espetacular! Brincadeiras à parte, até que esse ano, as comemorações foram tranquilas, afinal a data não era uma das especiais, com numero redondo. Em 2009 sim, foi de tirar o fôlego de quem assistiu o desfile em Beijing na mega celebração dos 60 anos da República  Chinesa.

     

    Mas melhor do que a festa em si, é que são 5 dias de feriado. Sim, até quarta feira, dia 5 de outubro. Mas de acordo com a lógica chinesa, um feriado que acaba no meio da semana é antiprodutivo, pois quebra a rotina. Então se faz uma ‘ponte’ com a quinta e a sexta feira. Assim quem vai viajar fica com mais dias livres e pode aproveitar mais.

     

    Mas se você está pensando: ‘então não é só no Brasil que o povo emenda feriados, enforca um ou dias...’. Sinto informar que essa ‘esticadinha’ é uma troca com o final de semana. Isso mesmo, no sábado todo mundo volta a trabalhar, como se fosse segunda feira. E a semana que vem terá 7 dias úteis! Na realidade eles consideram que trabalhar na quinta e sexta depois de um feriado de 5 dias e folgar novamente no final de semana não é uma boa escolha. E esse é o segundo feriado em que as pessoas mais se deslocam de um lado para o outro na China, para visitar parentes e fazer turismo interno. Como as distâncias são bem grandes, isso acaba tendo mais lógica do que podemos imaginar.

     

    Por conta disso, assim como o ano novo chinês, esse é um péssimo feriado para nós, estrangeiros, fazermos turismo dentro da China. É muita gente circulando, sem a menor a chance. Já coloquei num post que feriado chinês é época de ficar em casa! J

     

    Bom, mas hoje, contrariando meus próprios conselhos, vou fazer turismo em Shanghai! Temos visitas que vieram do outro lado do mundo... obaaaaa!

    Zái Jiàn!

     

     

     

     



    Categoria: China
     Escrito por Christine Marote às 09:05
    [] [envie esta mensagem] []



    [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]